Domingo, 28 de Janeiro de 2007
a matrona
Entro por corredores cobertos de dourados velhos, tapetes comidos pelas solas, quadros de ilustrações baratas, cheiro a mofo. Diz-me que se ficar vou compartir o piso com um abogado e com um periodista.
Pergunto-lhe pela cozinha, e pelo ar ofendido julgo ter feito a pergunta errada.
-Pensas coziñar? Esso no me gusta.- explica-me que faz muito lixo, que nem pensar nessas algazarras.
Digo-lhe que sou um moço asseado, mas isso não a parece convencer.
Passamos á sala coberta de colchas de rendas nas costas dos sofás, de gatos de louça, de meia sandes que o filho mais novo comeu antes de ir para a escola. Observo objectos metálicos de aparência estranha em cima de uma mesa. Pergunto-lhe para que servem a titulo de conversa de ocasião.
- Isso és de mi trabajo.
-E a senhora faz o quê?
- Yo? Yo soy matrona. Ayudo niños a llegar al mundo.
Agradeço e saio porta fora.

zurzido por j-adn às 08:34
linker | teorizar |
|

recepcionista


torre do tombo

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

tags

todas as tags

Support Amnesty International
blogs SAPO
RSS