Sexta-feira, 4 de Janeiro de 2008
regresso ao futuro
Voltei a Lisboa.
A Lisboa do meu pais. Portugal. O meu pais com que já me aborreci vezes sem conta, as mesmas talvez em que fizemos as pazes. Grito-lhe e mando-a á merda. Já mandei. Fizemos as pazes.
O pais que senti falta. Aquele onde voltei para tentar outra vez. Vamos lá ver se é desta, eu agarro-te e tu não cais. O governo, a OTA, a ASAE e o raio que os parta a todos. Os impostos e a revolta ao fim do mês. O 31 das urgências, mais a banca e o diabo a 4.
Mas é aqui também o pais da solidariedade. Em que tudo o que está mal fica para tráz quando é preciso ajuda. E se Portugal precisa de ajuda. Onde palavras como dignidade e espirito de sacrificio ainda fazem sentido.
Onde conheço gente corajosa que cerra os dentes e vai á luta, que maldiz a sua vida mas não a trocaria por nenhuma outra. O fado.
Gente que se emociona pelos feitos dos portugueses no mundo, que chora ao ouvir o hino esteja lá onde estiver, que assa sardinhas na marquise. Ahh orgulho bacoco, nacionalismos palermas? Seja. Isto é mesmo assim. 
O Algarve no verão, o Tejo, o Norte, o Alentejo. Mas há lá isto no mundo? Há, mas não é a mesma coisa. Ameijoas á Bulhão Pato e um Cozidinho á Portuguesa?  Voltas e reviravoltas, aeroportos, gentes, pessoas, ruidos e mundo que não vi igual.
As pessoas, o que faz um país são as pessoas.
Voltassem as mentalidades um pouco maiores, e seria imparável esta nação que já antes conquistou meio mundo.
Fosse a enterrar a merda do sindicalismo á 25 de Abril que serviu quando serviu e acabou, e talvez o caminho fosse para frente. Saudosistas de quê? Da miséria? Subsidios de mediocridade não temos, volte para a semana. 
Temos saudades do futuro e passamos a vida a olhar para trás.
E é para esta Lisboa que voltei. E é nesta terra que lentamente recrio laços com o que não vi, não cheirei, não senti durante algum tempo.
Tempo o suficiente para querer estender a mão ao meu país e dizer-lhe; conta comigo. Vamos lá levar esta merda para a frente! Vamos parar com os queixumes e vamos trabalhar!
 
Exigiremos a quem nos governa que não envergonhe a nossa bandeira, que preste contas ao trabalho feito, que faça o melhor que puder e souber. Que não se deixe cegar por siglas e tratados, que mande ás couves orgulhos partidários; mais; queremos que os partidos se fodam, queremos é que levem o país para a frente.
A padeira de Aljubarrota e o Viriato cá voltarão se necessário for, para vos aviarem dois murros nos cornos, não duvidem, a alma de um povo não morre assim.
 
Vamos Parar de falar mal do país, e vamos trabalhar, ou julgam que nos outros não há problemas? Não olham á vossa volta? Nós temos tudo. Temos a gente, temos a força. A história não vos diz nada? Com muito menos já fizemos muito mais.O caminho é duro e longo, mas apenas depende de nós o futuro que construimos.
Vamos levantar-nos duma vez por todas.
Sim, é para este pais que voltei. Porque acredito.
Acredito em Portugal.


zurzido por j-adn às 09:49
linker | teorizar |
|

Comentários:
De arlequim a 4 de Janeiro de 2008 às 10:59
n podia estar mais de acordo.
vamos levar isto pra frente
força portugal!!!


De herewithme a 4 de Janeiro de 2008 às 13:21
ora ai está a ideia da coisa, dos erros, falamos mal deles, mas eles vao continuar, o melhor e trabalharmos para fazermos melhor e mais... Eis a ideia da produção!
Beijao


De Fulano de Cicrano a 5 de Janeiro de 2008 às 03:41
Há coisa de umas semanas, talvez um mês, lia eu no Diário Económico, lá nas páginas interiores, sobre um estudo que indicava que o atraso do país se devia a fraca qualidade das lideranças empresariais. Normalmente aponta-se a fraca qualificação dos portugueses. Ontem na SIC Notícias dizia-se que os gestores portugueses ganhavam em média 275.000 €
anuais, contra 250.000 dos espanhóis e 170.000 dos alemães e 700.000 dos ingleses. Hora e meia mais tarde Mário Crespo perguntava se não seria demagógico reclamar dos altos salários dos gestores portugueses, pois que não sendo assim elevados «os melhores» não seriam convocados a resolver os problemas. Pois então os melhores não terão problema em ser contratados para Inglaterra. Nós podemos contratar alemães que, claro é, não são tão bons mas bastante mais baratos.


De Fulano de Cicrano a 5 de Janeiro de 2008 às 03:45
Agora a propósito do seu artigo, cito, salvo erro, Churchill: « As pessoas acreditam no que querem, apesar de todas as evidências!»


De Fulano de Cicrano a 5 de Janeiro de 2008 às 04:01
E ainda, considero que as grande contribuição de Portugal ao mundo é a capacidade de fazer muito com pouco ou fazer o pouco parecer mais. Dou como exemplo a cozinha portuguesa, a melhor do mundo (lol) e a arquitectura tradicional. Um europeu do norte para armar ao pingarelho precisa de milhões e centena de hectares, o tuga com pedra areia e cal (e salários de miséria, claro) faz o mesmo efeito.
Mas em tempos de contenção de consumo e dúvidas sobre sustentabilidade do crescimento, a minha opinião é de que o nosso trunfo é a simplicidade com que podemos atingir a sofisticação. Mas é precisamente o que o tuga quer esquecer e até se envergonha. O tuga quer o American Dream, o brilho intenso e o ruído. A Disneyland é o seu sonho, a sua utopia. Muitos séculos de fome deu nisso. Isso e o ditado: «a rica teve um menino, a pobre pariu um moço.»


De wood a 5 de Janeiro de 2008 às 12:56
Acredito que merecemos governantes menos arrogantes e menos seduzidos pela baba autoritária.


De Cristina a 6 de Janeiro de 2008 às 22:08
Concordo! Espero que essa tua vontade se mantenha...sinceramente.
Infelizmente, o que grassa por aí e está implícito no teu texto é aquilo que chamo de MEDIOCRIDADE.
Viver em Portugal hoje ? Só para se arranjar uma doença!!

beijoca

cris


De Zépovo a 10 de Janeiro de 2008 às 07:36
Bonitas palavras mas são apenas isso, palavras. Portugal não irá mudar nos próximos anos, não porque os Tugas viram a cara ao trabalho, mas sim, porque de facto, somos lamentavelmente muito mau governados, há muitos anos !!! e pelas amostras assim continuaremos a ser !!!! Sinceramente gosto da tua força de vontade, mas ............ não chega !!!!


sentenciar

recepcionista


torre do tombo

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

tags

todas as tags

Support Amnesty International
blogs SAPO
RSS